A difusão da mensagem publicitária se dá através de distintas mídias, como forma de criar uma interface entre oferta (produto/serviço) e consumo (cidadão). Estas mídias precisam estar presentes nos diversos locais onde o consumidor/cidadão circula e acabam por refletir a realidade comunicacional da época em que acontecem. A publicidade está sempre em busca de novas formas e locais para se comunicar com o público, atingindo-o em vários pontos e momentos de seu dia. Há alguns anos houve uma tendência de proibição das mídias exteriores, o que gerou uma busca acelerada para se atingir o sujeito urbano de outra forma, resultando na proliferação das mídias indoor. Segundo informação da Associação Brasileira de Mídia Indoor, o segmento cresceu 62% após a promulgação da lei “cidade limpa”, em 2007, na cidade de São Paulo. Outras cidades também seguiram esta tendência. Juiz de Fora (aprox. 600 mil habitantes), na Zona da Mata mineira, proibiu, em 2009, quase toda a mídia exterior. O resultado não foi diferente. Uma “explosão” do digital signage, resultando na abertura de alguns veículos especializados, como é o caso da OpenTV (http://www.opentvdigital.com/?home=#), presente em 3 cidades da região.

Outro fator que contribuiu para o crescimento das mídias indoor digitais, foi a convergência dos meios de comunicação e a forma como seu conteúdo é distribuído ao grande público. Esse contexto produz variações diversas de oportunidades midiáticas, característica das múltiplas possibilidades que a computação oferece, e se manifesta através da criação de novas plataformas e também da junção entre novas e velhas mídias. É em sintonia com este cenário, que surgiu há poucos anos o digital signage (nome dado nos EUA), que possui característica visual de uma televisão e programação de internet.

Este fato se dá em um cenário de alta tecnologia onde tudo parece convergir, centralizando-se de forma unificada, na internet. Algumas características percebidas são a interatividade, a instantaneidade e as linguagens multicódigos, que trazem um predicado de fragmentação no conteúdo exibido.

Esta entrada foi publicada em Colunas, Prof. Bruno V. Moreira e marcada com a tag , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>