Prof. Bruno V. Moreira

 

Não sei quantos de vocês, leitores deste blog, gostam de filmes de ficção científica. Eu sou simplesmente apaixonado pelo tema. Quando era bem pequeno assisti a um dos maiores clássicos do gênero – Blade Runner – com Harrison Ford, Rutger Hauer, Daryl Hannah e a decadente Sean Young. A direção ficou a cargo do excelente Ridley Scott, e o roteiro foi baseado no romance “Do Androids Dream of Electric Sheep?”, de Philip K. Dick. Vale lembrar que naquela época – o filme é de 1982 – não havia ainda a computação gráfica, e muito menos os filmes em 3D. Era muito mais difícil convencer o espectador sobre o futurístico mundo no qual foi ambientada a trama. Uma Los Angeles caótica e chuvosa, na qual as pessoas conviviam em espaços apertados e os carros policiais voavam. Um futuro em que havia seres geneticamente alterados – os replicantes – utilizados em tarefas pesadas, perigosas ou degradantes. Eles se rebelaram, pois queriam ter “mais vida” (só duravam quatro anos), e é aí que entra o policial vivido por Harrison Ford.

A publicidade tomava conta de qualquer ambiente e transbordava nas gigantescas telas que ocupavam laterais inteiras de prédios enormes. Lembro que fiquei impressionado com tamanha informação visual em algumas das cenas. O filme recebeu prêmio pela arte inovadora e extremamente real. Era realmente fascinante ver aquelas imagens exibidas em proporção tão grande. Claro que a Coca-Cola estava em uma delas.

Atualmente já acontece em várias cidades do mundo algo muito similar à “realidade” do filme. Ainda em dimensões menores, mas não menos impactante, as telas de digital signage ocupam espaços abertos nos grandes centros urbanos. Nova York, Shangai, Tóquio, Hong Kong, entre outras cidades, já convivem com essa realidade. Pena que no Brasil ainda não tenhamos algo similar. Com o devido cuidado, para não gerar poluição visual, as telas fazem parte de um visual urbano moderno e compõem a grandiosidade dos centros urbanos. O resultado alcança dimensões que chamam a atenção dos pedestres, fazendo com que esses parem para observar um conteúdo fragmentado entre desenhos aleatórios, mensagens do governo e publicidade.

A ocorrência mais impressionante da atualidade nesse sentido esta sendo a construção do maior painel curvado do mundo – cem metros de altura –, que poderá ser visto a uma distância de um quilômetro e meio. Ele foi desenhado pela Dactronics – especialista em tecnologia LED – e será construído pela Tameer Holding – dos Emirados Árabes Unidos – em um prédio comercial de 33 andares em Dubai.  O painel servirá como um meio de comunicação através do qual companhias, organizações não governamentais e autoridades do governo poderão transmitir mensagens com conteúdo variado ao grande público. O projeto está sendo chamado de PODIUM. Pois bem, Blade Runner certamente serviu de inspiração para algumas pessoas.

Esta entrada foi publicada em Colunas, Prof. Bruno V. Moreira e marcada com a tag , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *